Conheça Alagoinhas

OgAAAPqWl-1fhpZzE-W0HKgeC12wZRuz2dCwACR5_PaHXoRbA3fKgPfD5aly05aSCghpw3aMj5Qw7o8zqn993JwQ99IAm1T1UJLg3DVugDyydoroR178jCNbG7Sjhistória de Alagoinhas começa com o início do seu povoamento, no final do século XVIII, quando um padre português fundou uma capela no seu território e daí começou a próspera vila em função da chegada de imigrantes e da passagem da estrada de boiadas, acesso para o norte e para o sertão brasileiro, motivo do título dado por Ruy Barbosa de “Pórtico de Ouro do Sertão Baiano”

Enquanto vila, Alagoinhas recebeu vários nomes, os quais foram Freguesia da Água Fria, Freguesia de Santo Antônio das Lagoinhas e posteriormente Villa de Santo Antônio d’Alagoinhas. Este último nome, foi o último como vila, que depois foi desmembrada da Vila de Inhambupe, para ser emancipada como Município de Alagoinhas.

Em volta da igreja de Santo Antônio várias casas foram construídas, desse modo o povoado foi elevado a vila, através da Resolução Provincial 442 de 16 de junho de 1852. Mais tarde, do mesmo modo, causado pelo desenvolvimento da vila, que era gerado e norteado pela estação ferroviária, a qual era o centro de atividades econômicas, devido ao grande fluxo de pessoas e mercadorias, foi elevado a município de Santo Antônio de Alagoinhas, sendo desmembrado do município de Inhambupe.

Segundo o IBGE, o distrito de Alagoinhas foi criado no dia 15 de outubro de 1816, pertencendo a Inhambupe até 16 de junho de 1852, quando se tornou um município. A emancipação política de Alagoinhas foi oficializada há 153 anos, no dia 2 de julho de 1853, com a posse da primeira Câmara Municipal e do presidente do Conselho, o coronel José Joaquim Leal.

Em 1964 foi descoberto um poço de petróleo no município, o MG-1-BA. Três anos depois já havia 30 poços, motivo que fez com que a Petrobras se instalasse no município, gerando seu desenvolvimento e aumentando os investimentos, mas também crescimento desordenado, deixando várias pessoas sem saneamento básico e acesso aos serviços de saúde.OgAAALXwPBdEpYAM8wKyySMF80TF596gBNn2qXD1LFLGYZrxi-REU-urEgjva2qu2Mh3B7VTHJFySd_duf4oIrvsF7gAm1T1UAsUNB95YEfew4-3VpUtkNmpUT5s

Juntando a ferrovia com os poços de petróleo, Alagoinhas cresceu bastante economicamente, tornando-se pólo de sua região. Se voltou aos serviços, portanto seu desenvolvimento se deu, principalmente, no comércio, polarizando mais de 30 municípios vizinhos

A cidade de Alagoinhas teve seu primeiro povoamento nos fins do século XVIII, quando um padre português fundou uma capela no seu território e daí começou a prospera vila em virtude da chegada de imigrantes e da passagem da estrada de boiadas, acesso para o norte e para o sertão, razão porque recebeu de Ruy Barbosa o Título de “Pórtico de Ouro do Sertão Baiano”. Já foi denominada de Freguesia da Água Fria, Freguesia de Santo Antônio das Lagoinhas e posteriormente Villa de Santo Antônio d’Alagoinhas, então desmembrada da Vila de Inhambupe, quando adquiriu a qualidade de município.

Em torno da igreja de Santo Antônio foram construídas casas, formando uma povoação elevada à categoria de Vila pela Resolução Provincial 442 de 16/06/1852, sendo assim criado o município de Santo Antônio de Alagoinhas, desmembrando o município de Inhambupe. Sua instalação oficial deu-se em 02/06/1853.

Segundo registros do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o distrito de Alagoinhas foiOgAAAFDREmk_csqyBFN4wFVAeD39j9tlxKIgP2UkjjxL9HY9ihALeq891-YyG1WVpGwW2fPSZJ5IvSNVHR6_-V1DuPAAm1T1UHdRrQfr_dFgK-sakAN_NzCEfnuY criado no dia 15 de outubro de 1816, pertencendo a Inhambupe até 16 de junho de 1852, quando se tornou sede Municipal. A emancipação política de Alagoinhas foi oficializada há 153 anos, no dia 2 de julho de 1853, com a posse da primeira Câmara Municipal e do presidente do Conselho, o Coronel José Joaquim Leal.

O nome de Alagoinhas originou-se dos rios (Sauípe, Catu, Subaúma, Quiricó), lagoas e córregos existentes na região. Uma de suas maiores riquezas é a excelência da qualidade de sua água, que faz parte do aqüífero que vai de Dias D’Ávila até Tucano.

POÇO

O poço de petróleo MG-1-BA foi descoberto em 1964. Gás natural e petróleo começaram a compor, naquele momento, a vida econômica e social de Alagoinhas. Em 1967 já eram mais de 30 poços no Município. A descoberta trouxe a Petrobras para Alagoinhas e, com ela, a ampliação das oportunidades de trabalho e de investimentos no Município. O petróleo também contribuiu para a organização da categoria dos petroleiros.

A Ferrovia e o petróleo contribuíram para o desenvolvimento do comércio de Alagoinhas. A cidade se voltou para os serviços e se tornou pólo para mais de 30 municípios vizinhos. A localidade cresceu de forma desordenada, sem que houvesse um planejamento que orientasse a adequação da sua infra-estrutura às necessidades da comunidade. Entre os problemas mais graves enfrentados pela comunidade podem ser apontados os sérios problemas causados pela deficiência da pavimentação urbana, os serviços de saúde não se adequavam às normas do SUS e a maior parte da população não tem acesso ao saneamento básico.OgAAALVBxQzDQtxMwoNOKsV09VhJL-Pd-6R12b3TYlRSN5Hvx8yBOmR0VlNsVaAd3OedaazoKb8nKUY3tBTcbCwGOuEAm1T1UA5RUQm228Dj7f4bqQMlTMCCU9kj

Hoje, a economia da cidade é baseada na produção de petróleo, nas cervejarias que também produzem refrigerantes, sucos e água mineral, serviços, agricultura e comércio.

É conhecida por ter a segunda melhor água do mundo.

ESTRADA DE FERRO

Alagoinhas Nova e Velha, uma mesma cidade (re)organizada, em 1868, por causa das atividades da Estrada de Ferro da Bahia ao São Francisco. A instalação da ferrovia provocou um intenso fluxo de produtos e de pessoas que obrigou feirantes e população a mudarem para as proximidades da estação, em função do volume de atividades desenvolvidas no local. Os ferroviários, além de serem trabalhadores que aceleravam o transporte de pessoas e de produtos, também se constituíram em categoria organizada que lutou, em vários momentos, pela conquista e reconhecimento de direitos. A “Greve Ferroviária”, em 1909, com repercussão no Estado e liderada pelo cônego José Alfredo de Araújo, foi exemplo de mobilização vitoriosa da categoria.

PONTOS TURÍSTICOS:

Totem de Alagoinhas

Localizado em Alagoinhas Velha, contém relevos alusivos a fatos históricos, inclusive com uma homenagem aos pracinhas de Alagoinhas, Dionísio Chagas e Evilásio Assis que foram mortos na 2ª Guerra Mundial. Os trabalhos são de autoria do escultor Haeckel Consenza Meyer.

Igreja de Santo Antônio (Igreja Inacabada)

Localizada em Alagoinhas Velha, sua construção foi iniciada em meados do século XIX, com base e paredes redobradas, um verdadeiro monumento de arte. A igreja de Santo Antônio nunca foi finalizada, fica na entrada da cidade e é considerado o maior patrimônio histórico da cidade.

Estação de São Francisco

Localizada na Rua 2 de Julho, é uma construção no estilo inglês com suas grandes instalações oferecendo uma nítida dimensão do que a ferrovia significa para o desenvolvimento da cidade e região.

Coreto

Localizado no centro da cidade, na Praça JJ.Seabra, é um dos seus recorrentes cartões-postais.

Outros pontos de caráter cultural e histórico do município:OgAAAKi7S0nENlsAWw7NrpmgP_KeBWuG7lXSNPgct_9ktoir9UmSdztUThBucPg9zd6R2gKIqmwdlLtYebVyeJgy_AkAm1T1UBU8xoSFLIFmEMGid1cwv1_vxA1E

– Catedral de Santo Antônio, na praça Pedro Alfredo;
– Ginásio de Alagoinhas, na praça Mário Laert;
– Oficina Arlindo Luz, na rua Dois de Julho;
– Igreja São Francisco, na rua Lauro de Freitas;
– Estádio Antônio Carneiro (Carneirão), na rua Mário Laert;
– Armazém Saturnino Ribeiro, na praça J.J. Seabra;

CRONOLOGIA:

1802 – Fundação da capela Jesus, Maria, José; hoje, Boa União.

1853 – (02 de julho) Instalação oficial da Vila e Município de Alagoinhas.

1863 – Chegada dos trilhos da Estrada de Ferro Companhia Inglesa.

1864 – Publicação do primeiro jornal “O Noticiador Alagoinhense”.

1868 – Transferência da sede da antiga Alagoinhas para a atual.

1874 – Inauguração da Estação dos Correios e Telégrafos.

1875 – Construção dos alicerces do prédio da Câmara, da Prefeitura e do Fórum.

1877 – Criação da Comarca de Alagoinhas – Resolução Provincial nº 1726.OgAAAHQQAoPD2IH23BkZQ9n7FXAvnSdZrpu6nEKkDFX0WczSPW-0pGBAL2IlOXvy1Mv8LuP2GS9ZrrEYvgOtclwx6x4Am1T1UPKa7wVeYF4PczuO6n-MLiT8KzpI

1880 – Elevação de Vila à Cidade, lei provincial nº 1957. Inauguração do trecho da estrada de ferro entre Alagoinhas e Serrinha.

1881 – Distrito Eleitoral.

1883 – Fundação da primeira Banda Musical (Sociedade Beneficente União Ceciliana, depois chamada de Sociedade Filarmônica União Ceciliana. Também existiu, na época, a “Sociedade Filarmônica Orfesina”).

1884 – Construção do trecho da linha férrea Alagoinhas-Timbó.

1885 – Inauguração do serviço de iluminação pública, com 60 lampiões a querosene.

1889 – (17 de novembro) 1ª adesão, no estado da Bahia, ao Movimento Republicano.

1882 – Publicação do jornal “O Trabalho”.

1883 – Fundação da Sociedade Filarmônica Euterpe Alagoinhense.

1896 – Publicação do jornal “O Popular”.

1924 – Início do serviço de iluminação elétrica da cidade.

1925 – Serviço de transporte coletivo “Viação Urbana de Alagoinhas”.

1930 – Inauguração do Serviço Telefônico.OgAAAHj0s2Em0362wW6UQ28Jh3njm24_uvlt6XfDzmp-ctoMXuc5g2y7U89NZB_KR3E35pxBWKLIrn5jRxvM-Crm9rsAm1T1UEYysjmNjAVEevDLGJXSks-gpkAA

1931 – Fundação da Sociedade Philarmonica Lyra Operária

1932 – Fundação do Centro Operário Beneficente de Alagoinhas, organizado e mantido por um grupo de operários da Leste Brasileiro.

1934 – Inauguração da Agência da Caixa Econômica Federal

1938 – Fundação da Liga Alagoinhense Contra a Mortalidade Infantil.

1941 – Fundação da Escola Profissional Ferroviária. Inauguração da Agência do Banco do Brasil. Fundação da Associação Desportiva de Alagoinhas.

1945 – Inauguração da Liga Baiana contra o Analfabetismo.

1947 – Inauguração da nova Estação Férrea de Alagoinhas.

1948 – Apresentação do Jazz Laranjeiras, organizado e dirigido pelo Maestro José Propheta da Silveira. Instalação do Instituto Profissional Feminino Visconde de Mauá.

1950 – Fundação do Conjunto Orquestral “Os Turunas”, pelos Irmãos Fagundes. Instalada a Biblioteca Ruy Barbosa

1951 – Iniciada a implantação da rede de esgotos na parte central da cidade.

1954 – Fundação da Rádio Emissora de Alagoinhas – ZYN-26. Instalada a Liga Baiana Contra o Câncer- Secção de Alagoinhas

1963 – Fundação do Núcleo de Orientação Contra o Câncer.

1966 – Fundação do Conjunto Orquestral “Os Caciques”

1968 – Iniciadas as obras do Serviço Autônomo de Água e Esgoto da cidade. Inauguração do Cine-Alagoinhas.

1969 – Primeira Exposição de Arte do pintor Almiro Borges, em Alagoinhas.OgAAAFkPMTBlhC4lpgok9FHYirFqf2HFa_eZUNevK7j8C_i365wE7ob3zOTk0LEBsWhEBf2oB1TKv0houGoPoxuV4fQAm1T1UDFVmS07ruAAwR0mWzxQ6bZCwK5K

1970 – Fundação do Alagoinhas Atlético Clube.

1971 – Inauguração do SAAE.

1972 – 1º vestibular Unificado da Faculdade de Formação de Professores.

2001 – Início dos investimentos em infra-estrutura e saneamento básico de Alagoinhas, com a participação popular.

Fontes:

BARROS, Salomão. Vultos e Feitos do Município de Alagoinhas. 1979.
Inventário de Proteção do Acervo Cultural da Bahia. Secretaria da Cultura e Turismo, Ipac

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *