Boca de Brasa número 3 traz novas apimentadas sobre a política

Boca de Brasa

 

Vanderley Soares

 

vanderleysoares@uol.com.br

 

Câmara deve aumentar número de vereadores

 

A Câmara Municipal de Alagoinhas deve aumentar o número de vereadores para a próxima legislatura. O presidente Roberto Torres já trabalha com a ideia de manter espaços livres no primeiro andar para a construção de novos gabinetes. A Câmara deve saltar dos atuais 17 para 19 vereadores. A lei garante esse aumento.

 

Câmara deve melhorar a qualidade

 

A Câmara de Alagoinhas tem dado algumas respostas à sociedade, mas ainda está longe de ser a ideal para a cidade. O legislativo sente a falta de figuras como Pedro Marcelino, Radiovado Costa, que sempre pautaram suas discussões em temas palpitantes e polêmicos, além de ótimos fiscalizadores dos atos do Executivo. A Câmara deve experimentar outros sabores além de banana, frango e farinha.

 

E por falar em bananada

 

A vereadora Raimunda Florêncio é outra pérola. Com mais de 20 anos no Legislativo, até hoje não disse para que foi eleita. Nunca fica de fora de nenhum governo, independente do partido ou linha programática. Sempre tem cargos indicados, principalmente as filhas. Não tem projeto, não tem discurso, não tem argumento, contra-argumento, não soma. Está longe de ser a representante das mulheres e dos professores. Alagoinhas precisa evoluir, crescer e pensar grande. Se continuar assim vai acabar sendo uma vilazinha que um dia dependeu de Aramari para enviar suas correspondências.

 

Juscelio Carmo seria um bom nome

 

Depois que tomou gosto pelo rádio, desde o dia 13 de abril de 2001, quando me deu a primeira entrevista, o empresário Juscelio Carmo deveria se candidatar a vereador e, depois, traçar uns planos para uma possível candidatura a prefeito. Não vejo nenhum demérito em começar como vereador, local de onde já nasceram alguns candidatos. É um bom nome, só precisa lapidar a língua, construir um grupo e mostrar o que sabe. A Câmara precisa ter algo mais apimentado para nos dar gosto de assistir às sessões.

 

 

Um exemplo a ser seguido

 

O ex-vereador Pedro Marcelino não deve desistir da política, pois, afinal, está no sangue e isso pulsa. Uma de suas proposições quando de seu penúltimo mandato até hoje não foi acatado pela Câmara nem pelo Executivo. O de colocar um pequeno histórico na primeira e última placas de sinalização de nomes de ruas. Rua 21 de abril, 10 de novembro, Conselheiro disso, Conselheiro daquilo. Afinal, qual a ligação dessas datas e figuras com a cidade? Essa sugestão foi dada por esse colunista no tempo em que apresentava o Programa Pauta Livre.

 

Câmara deve avançar em outros campos

 

Parte do acervo histórico da Câmara está no Fundação Iraci Gama, mas, confesso, não sei como está. Mobiliário importante que deveria servir para o Museu da Câmara, a ser instalado no prédio do Legislativo, disponibilizando o acervo histórico da cidade, o perfil de cada vereador de hoje e do passado, com totens, computadores e fotos. Tá em tempo, só falta Roberto decidir.

 

Ainda sobre a Câmara

 

Elogiada pelo nosso colunista Belmiro Deusdete em sua coluna no Jornal Gazeta dos Municípios na edição 431, a Ascom da Câmara está longe de ser a ideal. Envia para a imprensa um relatório, um dia após a sessão, uma espécie de ata. Para isso já dispomos dos competentes Orlaney e Mutcha. A imprensa pouco repercute os atos da Câmara, exceto quem vai às sessões. A imprensa está acostumada a releases prontos, com texto com título, fotos e rapidez no envio. Qual site ou rádio divulga as ações da Câmara que se manifestem.

 

 

Foi para o PRP

 

A pedido do governador Rui Costa, o ex-prefeito Paulo Cezar Simões se abrigou no ninho do PRP. Não deve fazer parte do núcleo duro do governador, que prefere deixar os partidos nanicos em proporcionalidades difere

 

ntes. Mesmo assim, PC e Joseildo devem se encontrar nos comícios da vida em Alagoinhas e região. PC goza de prestígio em Alagoinhas, deve sair com boa votação. A ADAB lhe deu régua e compasso para novos rumos.

 

Ainda não confirmaram debate público

 

O debate proposto pela TV Ala para o mês de setembro, envolvendo três candidatos a estadual e três a federal ainda não teve a confirmação da maioria. Ainda é dúvida e muitos ainda vão continuar duvidando, se PC e Joseildo participariam, pois, em eleições municipais foram ferrenhos opositores e já trocaram farpas históricas. Será que no mesmo barco governista vão trocar farpas?

 

Mini reforma administrativa

 

O prefeito Joaquim Neto já promoveu sua mini reforma administrativa. Secom, Secri e Segov vão ganhar novos dirigentes. Na Secom sai Geraldo Melo e entra Gustavo Carmo, atual procurador jurídico do SAAE. Para a Segov vai o ex-deputado Marco Antunes, que sempre fica na reserva e só entra no governo quando o clima lhe é favorável. Prestes a se aposentar da Assembleia Legislativa, Marco Antunes mais uma vez será o “guru” da administração.

 

Irmão do prefeito na gestão

 

Pouco conhecido no meio político da cidade, o engenheiro Manoel Cardoso será o secretário de Relações Institucionais. Não se sabe qual engenharia vai usar para equilibrar o cartão de visitas da prefeitura, hoje restrito a Queiroz, cujo papel é meramente para atender aos pedintes e cuidar do Atlético, e aos aplausos da já famosa “estourada”, cuja foto de quando começou no PAT, lá pelos idos de 1997, publicamos a pedido.

 

Irmão do prefeito será ilustre desconhecido

 

Esse cargo, vago desde o ano passado, sempre teve como titulares figuras de profunda relação com a sociedade local, com o Legislativo e os diversos organismos da cidade. Terá dificuldade quando aportar em sua pasta um mundo de pedidos de nomeação de amigos, parentes de vereadores e correligionários que ele nem sabe quem são. Vai recorrer a Marco Antunes ou então ao irmão.

 

Parente na administração é novidade

 

O Boca de Brasa fez uma sondagem e não descobriu ninguém com grau parentesco com o prefeito Joaquim Neto no Governo. O irmão é o primeiro e ainda não se sabe o porquê de aceitar um cargo de espinhos e indigesto como esse. Pelo dinheiro não deve ser, afinal, um engenheiro deve ganhar bem mais do que R$ 12.500

 

 

Prefeito deixará de ser polivalente

 

O prefeito Joaquim Neto sempre disse que assumia o papel de prefeito, secretário de Governo, Comunicação e relações institucionais. Com a posse dos novos secretários talvez a gente possa conhecer a verdadeira identidade da administração. Por lá aportam figuras experientes e notáveis na política local, que, certamente, deverão dar um norte e evitar os apupos a que o prefeito pode ser vítima.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Related Post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *