Estudantes apresentam projetos para dar visibilidade ao Museu Udo Knoff

Vídeos, cartazes, documentários, curtas metragens, animações, campanhas promocionais e clips para divulgação nas redes sociais são alguns dos projetos apresentados pelos alunos do Instituto Federal da Bahia (Ifba), de Simões Filho, para ajudar a dar mais visibilidade ao Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica (Pelourinho). Estes trabalhos, apresentados em 5 e 13 de dezembro, fazem parte do projeto ‘Construindo Rasuras: a memória em foco’ – uma atividade realizada pelo Museu Udo Knoff com cerca de 100 alunos do curso de Mecânica, Petróleo e Gás, Eletromecânica e Metalurgia do Ifba. Os projetos serão disponibilizados para apreciação e uso após avaliação da Diretoria de Museus, do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Dimus).

“Eu percebi que os alunos sentiram muita alegria em colaborar. Além disso, eles abriram os olhos para a nossa cidade, que é recheada de cerâmica e azulejaria. O Udo Knoff é um museu rico em nossa história, em cultura e no processo de fazer cerâmica. O museu Udo Knoff é uma forma de termos contato com a cultura local e mundial e as pessoas precisam valorizar”, declarou Jamile Assis, professora de Português do Ifba.

“O museu merece ter mais reconhecimento, porque ele retrata a cultura de Salvador e da Bahia. O Udo Knoff guarda um arquivo de cerâmica e azulejaria importantíssimo que as pessoas precisam conhecer”, disse o estudante do 3° ano de Mecânica, Rodrigo Guimarães.

“O mais incrível foi perceber que eles abriram os olhos para a azulejaria da nossa cidade e reconheceram a importância da existência do museu para lembrar que a Bahia é um dos maiores representantes da azulejaria portuguesa, para o valor do trabalho de Udo em seu ateliê, que contribuiu para a formação de uma geração de artistas que continuam decorando nossa cidade. Muito interessante também ver como eles utilizaram conceitos da matemática no estudo das estampas dos azulejos da coleção de Udo, evidenciando que o museu pode ser utilizado como fonte de pesquisa para desenvolvimento de projetos multidisciplinares”, explica a coordenadora do museu, Renata Alencar.

O projeto teve início na Semana da Criança, em outubro, com a mediação ‘Comunicação e Visibilidade’ e da atividade PoeMusik, com um grupo de alunos, de 16 e 18 anos, do Curso Eletrotécnica do Ifba (Simões Filho). Nesses dias, o grupo que coordena o Poemusik também fez uma performance para os estudantes, com poesias que tratam do tema sobre identidade e memória.

“Os estudantes foram estimulados a conhecerem o museu, discutiram seus problemas e trabalharam na construção de soluções. Ao museu coube a apresentação da coleção de Udo Knoff, o histórico do museu, a promoção da reflexão sobre a manutenção desse espaço aberto ao público, sua visibilidade e conhecimento por parte da sociedade. Para a equipe do museu, foi um prazer participar desse projeto, contribuir para o conhecimento e divulgação do seu acervo de uma forma tão singular. Agrademos aos professores que escolheram nosso museu para aplicação dessa ação”, acrescenta Alencar.

A oficina ‘Poemusik – Poesia Musicada’ é uma experiência criativa com o mundo das palavras realizada pelos funcionários e músicos do Museu Udo Knoff. “Tem como referência a poesia de rua e a música de improvisação estabelecendo a relação do museu com a música. A partir de estímulos proporcionados pela mediadora, o grupo passa a exercitar as palavras de formas usuais e não usuais, montando, desmontando e remontando os vocábulos de forma inventiva, produzindo descobertas surpreendentes, estabelecendo uma nova relação entre o grupo e a música”, acrescenta Alencar.

Fonte: Ascom/Dimus-Ipac

Áudio:

Related Post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *