Ambulante foi até Estação Mussurunga para atacar a ex-cunhada

Alvo não era a ex-mulher, mas sim a ex-cunhada, que ordenou que ele não procurasse mais a irmã

O ambulante Nelson Messias dos Santos, 48 anos, foi até a Estação Mussurunga com a intenção de atacar a ex-cunhada, a Jacineide Alves Lima, 42, e não sua ex-mulher, Eleni Alves Lima, como suspeitava a polícia. Depois de esfaquear Jacineide, ele se matou. Segundo a delegada Carmen Dolores Bittencourt, que está de plantão no Hospital Geral do Estado (HGE), o vendedor se ressentia do que seria um interferência da cunhada em seu relacionamento conturbado. Jacineide não resistiu aos ferimentos.

“O alvo dele era a cunhada. Ele foi para cima dela, para agredi-la, porque ela tinha dito para ele não procurar mais pela irmã dela. A família não apoiava o relacionamento deles por conta das agressões. Ele era uma pessoa violenta, e agrediu a ex-companheira várias vezes”, explica a delegada, que ouviu familiares da vítima. Nelson e a ex-mulher viveram cinco anos juntos, entre idas e vindas. Em setembro, ele chegou a ficar quatro dias preso com por conta de uma agressão a ela. Ele também tinha passagem por roubo.

Jacineide não resistiu aos ferimentos e morreu a caminho do HGE. O ambulante José Geraldo Nunes Leite, 52, e um segurança identificado como Euclides, que tentaram parar Nelson, também ficaram feridos e estão internados na unidade. Nelson, que atingiu o próprio pescoço depois do ataque, ainda foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas morreu no local. “Tentamos reanimá-lo, mas não tivemos êxito. Ele perdeu muito sangue”, disse um funcionário do Samu, que não se identificou. Segundo informações da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), ele sofreu uma parada cardiorrespiratória.

Jacineide e Eleni têm boxes dentro do terminal, onde vendem salgados e doces. A ação aconteceu rapidamente, de acordo com relato de testemunhas. Nelson chegou no local com duas facas e foi direto para o boxe de Jacineide. Algumas testemunhas contaram também que ao ver o ex-marido, Eleni fugiu do ex e correu na direção da irmã gritando por ajuda. De acordo com informações da Polícia Militar (PM), Jacineide foi atingida no abdômen.

Ainda segundo os depoimentos, pelo menos oito pessoas tentaram deter o agressor, mas não conseguiram impedir a ação. “Ele deixou o carro ligado próximo ao local do crime”, disse Marcelo Alves, ambulante que testemunhou o crime. Eleni não ficou ferida.

“Ele ligou para a cunhada hoje pela manhã, e ela [Jacineide] mandou ele esquecer a irmã dela. Quando desligou o telefone, ele veio direto para a estação. Quando chegou aqui, foi direto na barraca da cunhada” conta o ambulante Marcelo Alves, que testemunhou o crime.

“Eu vi quando ele [Nelson] já estava aqui no meio, um companheiro tentou segurar ele e tomou duas facadas. Fui correndo e ela já estava no chão. Olhei para ela [Jacineide], segurei a mão dela e ela não tinha mais forças para segurar a minha mão”, contou a ambulante e amiga da vitima, Ivonete Moreira, 45.

Segundo a CCR Metrô Bahia, concessionária que administra o metrô da capital, o atentado aconteceu na área do terminal de ônibus — na plataforma C, entre as saídas 16 e 17.

Após o ataque, a plataforma C foi interditada. As barracas de ambulantes do terminal foram fechadas. “Amanhã [sexta-feira] também fecharemos, em homenagem às nossa amiga”, contou Marli Almeida, que se apresentou como líder dos ambulantes da Estação Mussurunga.

“Ouvi gritos e depois ele se esfaqueando aqui em frente. Nunca vi uma coisa assim”, conta a funcionária de uma farmácia que fica em frente ao local do ataque, que não quis se identificar.

Em nota, a CCR Metrô Bahia diz lamentar o ocorrido, que prestou os primeiros-socorros às vitimas e está colaborando com as autoridades policiais nas investigações. Por fim, informa que o terminal de ônibus de Mussurunga está  funcionando.

Marli lamentou o crime (Foto: Evandro Veiga/CORREIO)

Prisão e medida protetiva
Nelson foi preso em flagrante por lesão corporal em 15 de setembro, de acordo com informações do portal do Tribunal de Justiça da Bahia. A vítima foi a ex-esposa Eleni. Segundo a SSP, ele ficou custodiado quatro dias e ganhou a liberdade provisória após audiência de custódia.

Familiares de Jacineide e Eleni contaram no posto policial do HGE que Nelson tinha comportamento agressivo e era muito ciumento. Foram cinco anos de relacionamento tumultuado, com idas e vindas, ainda de acordo com os parentes das ambulantes.

Amigos das irmãs ambulantes relataram ainda que o autor das facadas não aceitava a separação e tinha que manter distância de 100 metros de Eleni, por decisão judicial. O CORREIO não conseguiu confirmar se Eleni tem medida protetiva contra o ex-marido.

Jacineide deixa um filho. “Ela me contou que ia sair mais cedo daqui [da estação] para dar o presente de dia das crianças para o filho Gabriel que tem 10 anos”, contou Ivonete, que tem uma barraca próximo à da vítima.

Fonte: CORREIO 24 horas

Fotos: Evandro Veiga/CORREIO

Related Post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *